Perguntas mais Frequentes

1- CHIP HORMONAL TAMBÉM É UM ADJUVANTE? NÃO POSSO FAZER OUTROS PROCEDIMENTOS NUNCA MAIS?

SIM! O chip é feito de silicone inclusive! Assim como DIU, preenchedores faciais, skin booster… todo material inserido no seu organismo é um corpo estranho e funciona como adjuvante. Mesmo o ácido hialurônico sendo uma substância produzida pelo nosso organismo, lembrar que o preenchedor é sintético e não é puro, pois na composição há anestésicos etc. Para pacientes que tem essa hipótese diagnóstica e que após explante confirmamos pela evolução clínica, oriento não realizar tratamentos com produtos, pois podem ser gatilhos novamente, mesmo que numa menor proporção. Mas a contra-indicação não é absoluta! É relativa. E para algumas mulheres será possível realiza-los. No caso de preenchedores faciais, por exemplo, podemos usar gordura do próprio corpo para obter volume onde desejamos, pois a gordura não seria adjuvante. Mas ela não estrutura ou sustenta, apenas oferece volume. Para substituir toxina botulínica existe um procedimento cirúrgico, lifting coronal, no qual são feitas incisões na musculatura para dar esse efeito. Geralmente é indicado para mulheres mais velhas e que as rugas são mais profundas, não respondendo mais tão bem a toxina.

2- QUAL ESPECIALISTA PROCURAR SE EU TENHO A SUSPEITA DO DIAGNÓSTICO?

Com certeza você deverá ser acompanhada pelo cirurgião plástico e um reumatologista que tenham conhecimento da doença. Há critérios diagnósticos descritos por Shoenfeld que contribuem muito para direcionar a hipótese da síndrome. MAS NÃO HÁ UM EXAME PARA CONFIRMAR ESSE DIAGNÓSTICO, mesmo exames de imagem como USG e RM, pois esses podem estar normais. Lembrar que muitas pacientes tem diagnóstico “desviado” para doenças como depressão, fibromialgia e doença psicossomática.

3- COMO RECONSTRUIR AS MAMAS APÓS IMPLANTE? POSSO FAZER NA MESMA CIRURGIA?

Há diversas maneiras de reconstruir uma mama. Há inclusive mulheres que fazem o explante em bloco e acreditam que AQUELA prótese é que causou o problema e decidem por colocar outra prótese… SIM… COLOCAM OUTRA PRÓTESE!

A cirurgia pode ser feita em 2 tempos, que a meu ver seria o ideal, pois o explante pode gerar retrações, assimetrias… edema que depois cede e, às vezes, não é nem necessário fazer uma mastopexia por exemplo. Então seria realizado o explante em bloco e numa outra oportunidade a reconstrução se necessária.

Uma outra opção seria já na cirurgia do explante em fazer:

*mastopexia – que é a retirada do excesso de pele e o reposicionamento da mama que está flácida.

*lipoenxertia – na qual por meio de lipoaspiração de abdome, flancos, pernas… coletamos gordura, preparamos a mesma e colocamos nas áreas das mamas. Lembrar 30 a 70% dessa gordura pode ser absorvida. Além disso, células de gordura, os adipócitos, são modificados à medida que ganhamos ou perdemos peso. O adipócito pode aumentar em 10 a 20 vezes seu diâmetro! Além de aumentar em número se houver ganho de peso. Também há a questão de a gordura precisar integrar naquela região, sendo necessária sua introdução próxima ao plano muscular onde há maior vascularização evitando sua absorção, e numa “bola” de gordura não haverá como nutrir as células do centro. Pode ser necessário mais de um procedimento de enxertia para obter resultado desejado, com intervalo de tempo de 6 meses.

Uma observação MUITO importante é que gordura não estrutura. Ela tem indicação de repor volume!

Não há uma melhor opção! Dependerá de cada caso. Até porque, quando a cirurgia é realizada num único tempo, aumenta a morbidade… maior tempo cirúrgico, maior tempo de recuperação… cada mama terá uma proposta diferente de acordo com o exame físico e história da paciente.

4- QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA?

O tempo da cirurgia vai variar de acordo com a proposta cirúrgica. Para o explante é estimado um tempo de 2 a 3 horas, dependendo da aderência da cápsula, se a prótese está submuscular ou subglandular dentre diversos fatores. Caso haja planejamento de reconstrução, o tempo cirúrgico aumenta em 2 horas aproximadamente.

5- COMO É A CICATRIZ DO EXPLANTE? VERDADE QUE A CÁPSULA PODE ESTAR CALCIFICADA?

Pode ser apenas um “risco” no sulco (dobra) da mama, um pouco maior do que a da colocação da prótese ou até o famoso “T” invertido se realizada mastopexia junto. Sobre quelóides o risco é igual para qualquer procedimento porque dependerá de muitos fatores, principalmente da genética da paciente. E sim… toda cicatriz tende a fazer depósito de cálcio e, por isso, as cápsulas podem ter níveis de calcificação leve até endurecimento completo.

6- QUEM ENTÃO PODE COLOCAR PRÓTESES?

Teoricamente, pacientes com histórico de doença autoimune não deveriam colocar implantes. No entanto, a decisão deve ser da própria paciente, devendo a mesma estar ciente da possibilidade da doença. Pelos dados oficiais, a incidência ainda é pequena e a opção de implantes muitas vezes é a única opção como em pacientes mastectomizadas, reconstruções em acidentes e Síndrome de Poland*. Nessas pacientes os biomateriais consistem em promover qualidade de vida para as pacientes.

*POLAND: é uma deformidade congênita rara, que afeta a região torácica pelo subdesenvolvimento dessa área, podendo haver diminuição ou ausência de glândula mamária, músculos, costelas e até órgãos internos, UNILATERAL!!!

7- SE A PRÓTESE ROMPER, PODE MIGRAR PARA OUTROS LOCAIS DO ORGANISMO?

Eu aprendi que isso jamais aconteceria, mas estudos mais recentes mostram relatos de casos de pacientes que tiveram inflamação de gânglios à distância que foram biopsiados e vieram positivos para silicone. Esses relatos mostram isso inclusive em próteses íntegras. Isso por causa do gel bleeding (vide texto doença do silicone).

8- SE EU TIVER CONTRATURA CAPSULAR SIGNIFICA QUE TENHO A SÍNDROME ASIA?

NÃO!!! A contratura pode ocorrer independente. Na tentativa de isolar o corpo estranho forma-se uma película de proteção (cápsula) e por um processo inflamatório há cicatrização secundária, que pode ocorrer em qualquer momento da vida! O organismo promove certo grau de reação aos tecidos, podendo haver também infecções subclínicas, que é um dos fatores responsáveis pela contratura. Essas infecções seriam causadas pelo biofilme*. A contratura ocorre geralmente quando a prótese está subglandular. A contratura passa por graus de evolução que classificamos de I a IV (BAKER), sendo I mama aparentemente como uma mama não operada, II pode-se palpar a alteração mas ainda não é visível, III ama apresenta distorção e IV quando começa processo de dor! A princípio não é uma urgência e I e II são tratadas de maneira conservadora, mantendo acompanhamento, III e IV tem indicação cirúrgica.

*Biofilme = é uma estratégia de sobrevivência dos microrganismos que se aderem à superfície do implante e se fixam em uma complexa estrutura ao redor dele em forma de uma película, causando um processo infeccioso, mas que é subclínico, estimulando o combate local e estimulando a área dentro das cápsulas cada vez mais a um processo inflamatório. Além de poder ativar infecções tardias. Ele é um inimigo invisível!

9- AS MAMAS FICAM MENORES DO QUE ERAM ANTES DAS PRÓTESES QUANDO FAÇO EXPLANTE?

Sim! Durante todo o período que os implantes ficaram na mama, eles comprimiram os tecidos ao redor, possibilitando menor aporte de oxigênio à glândula e músculo. Nosso corpo é tão inteligente que para não gerar sofrimento desses tecidos por falta de nutrição consequente a essa pressão constante, “afina” os mesmos, gerando glândulas mamárias menores e uma musculatura mais fina (atrofiada).

10- É URGENTE PROCURAR AJUDA SE EU SUSPEITAR DO DIAGNÓSTICO DE ASIA?

NÃO!!! Certamente quanto antes for feita a hipótese diagnóstica e a decisão de explante, antes você retira o gatilho da inflamação e as chances de melhorar ou de não piorar são maiores. Apenas após avaliação com profissional qualificado é possível decidir a melhor conduta.

11- QUANTO TEMPO DEMORA A CIRURGIA?

Em torno de 2 horas se for apenas o explante e de 3 a 4 horas se houver reconstrução.

12- E SE A CÁPSULA NÃO SAIR INTEIRA? É PERIGOSO?

Pode acontecer de tudo estar tão aderido que dificulta a retirada da prótese em bloco, sem NENHUMA ruptura da cápsula. No entanto, caso aconteça da cápsula “rasgar”, e isso acontece mesmo em mãos muito experientes, pois tudo depende das condições que as coisas estão dentro daquela mama o cirurgião preparado para explante saberá como conduzir o intra-operatório para retirar tudo.

13- COMO É O PÓS-OPERATORIO DO EXPLANTE?

É como para qualquer outra cirurgia, com cuidados locais, troca de curativos, uso de sutiãs ou faixas adequadas, a dor depende muito da condição do intra-operatório, o quanto a prótese estava aderida ou quanto foi necessário descolar próximo a musculatura, sendo portanto um pouco maior do que da colocação da prótese para as subglandulares. Repouso, retorno ao trabalho, dirigir etc são retomados com maior segurança após 30 dias, mas isso sempre é individualizado para cada paciente.

14- PODE HAVER ALTERAÇÃO NA SENSIBILIDADE DAS MAMAS?

Sim, como em qualquer cirurgia de mamas pode haver perda ou exaltação da sensibilidade local, que pode voltar ao normal após algum tempo do procedimento. Mas essa alteração pode ser permanente.

15- POSSO AMAMENTAR APÓS EXPLANTE?

É possível que sim, mas a arquitetura das mamas da parte estrutural fica prejudicada, podendo gerar dificuldades ou até a impossibilidade de amamentar. Formam-se “traves” de cicatrizes modificando a glândula mamária. E mesmo quando não há manipulação na glândula e não tem cicatrizes na mesma, ver explicação na pergunta 9, sobre as mamas diminuírem de volume e comprometerem a produção de leite.

16- VOU ESTAR CURADA APÓS A CIRURGIA?

Não há cura para doenças autoimunes, mas sabe-se que de 30 a 80 % referem melhora dos sintomas.

17- O QUE É A PRÓTESE DE BECKER? ELA É MAIS SEGURA?

É um dispositivo que também funciona como adjuvante, combina expansor com implante em gel, que possui uma válvula, indicado para pacientes que não possuem expansão da pele para uma prótese maior, como por exemplo em mulheres que fizeram mastectomia por tumor das mamas. Dura em torno de 10 anos, como a prótese comum.

OBSERVAÇÕES ADICIONAIS:

*Cicatrizes de qualquer tipo podem depositar cálcio e, após anos da cirurgia pode ocorrer calcificação da cápsula, o que pode estar relacionado a contratura!

*Reforçando do porque ainda não temos dados corretos: porque não é obrigatório reportar os casos, assim como na dengue por exemplo que há a notificação compulsória.

*Não há como falar qual implante oferece maior ou menor risco apenas pela sua textura. Pois isso envolve INVÓLUCRO que define o tipo de TEXTURA, GEL DE PREENCHIMENTO, EMBALAGEM, ESTERILIZAÇÃO, MANUSEIO E CUIDADOS NO INTRA-OPERATÓRIOS (quem manuseia o implante, tempo de exposição…) pois isso pode ocasionar o BIOFILME, CUIDADOS DO PÓS-OP E POSSÍVEIS EVENTOS ADVERSOS COMO A DEISCÊNCIA DE CICATRIZ QUE EXPÕE A PRÓTESE DE ALGUM FORMA.

18- PRÓTESE DE MAMA CAUSA CÂNCER? O QUE É O ALCL?

É um linfoma – câncer do sistema imunológico – geralmente contido dentro da cápsula do implante. É raro. A cirurgia é o tratamento e tem sucesso na maioria dos casos, podendo ser associada a radio e quimioterapia.

Sintomas: inchaço persistente, dor na área dos implantes, nódulos.

Diagnóstico: coleta de líquido (seroma) para cultura/pesquisa de células neoplásicas e biópsia da peça cirúrgica.

Para o ALCL as próteses texturizadas tem MAIOR risco que as LISAS!

19- POSSO USAR ÁCIDO HIALURÔNICO OU OUTRO PRODUTO PARA PREENCHER A MAMA SE EU DECIDIR PELO EXPLANTE?

Na verdade, outros produtos também funcionam como adjuvantes, mesmo o ácido hialurônico, pois apesar de termos essa substância no nosso organismo, o produto aplicado é sintético e pode funcionar como gatilho já que é considerado um adjuvante.

20- POR QUE HÁ MULHERES COM SÍNDROME ASIA QUE TEM CHOQUES CONSTANTES NO CORPO?

Porque ocorre a neuropatia periférica, que é uma condição em que os nervos periféricos ficam acometidos, isso significa que a mensagem do cérebro para o corpo fica alterada. É uma doença DESMIELINIZANTE, a capa de mielina que protege as células nervosas fica

danificada! Dentre as causas dessa disfunção estão as doenças autoimunes, no caso a síndroma ASIA. Pode acontecer também dormência, formigamento, queimação, perda de sensibilidade, além dos choques. E pode haver comprometimento de um tronco nervoso ou vários, gerando essa sensação em mais de uma parte do corpo.

21- QUAL É A PORCENTAGEM DE MULHERES COM SÍNDROME ASIA NO MUNDO?

Sabemos que há em torno de 15 milhões de mulheres com próteses de silicone. E há em torno de 300 mil casos relatados de síndroma ASIA. Mas como já abordado, deve haver subnotificação dos casos, não tornando essa proporção real.

22- QUANTO TEMPO APÓS O EXPLANTE POSSO ENGRAVIDAR? O IDEAL SERIA ESPERAR A GESTAÇÃO OU EXPLANTAR ANTES?

Geralmente, como para a maioria dos procedimentos cirúrgicos, o corpo já está bem recuperado em 6 meses para a gestação acontecer de maneira tranquila e segura. Mas isso é relativo porque cada organismo responde de uma maneira, então o ideal é você conversar com seu médico para definir o que é melhor no seu caso.

Em relação a engravidar e saber se explanta antes ou depois: a doença é perpetuada pelo gatilho existente, que no caso seria a prótese. Então, quanto mais tempo a paciente permanecer com as próteses, mais tempo terá esse estímulo acontecendo. No entanto, deve ser discutido e decidido com o médico, porque a cirurgia pode dificultar ou não permitir a amamentação. Acredito que não exista uma conduta única. Depende do quanto os sintomas impactam na vida dessa mulher, do que ela espera na questão de amamentar etc.

23- TEM COMO ACELERAR A RECUPERAÇÃO APÓS EXPLANTE? O QUE POSSO FAZER PARA MELHORAR OS SINTOMAS MAIS RAPIDAMENTE?

O explante já é o tratamento mais importante e essencial para seguir adiante na melhora do quadro clínico. Então a orientação é seguir o protocolo de pós-operatório com todos os cuidados, manter acompanhamento com o cirurgião plástico e com o reumatologista e fazer uso dos possíveis medicamentos que podem auxiliar em alguns quadros como uso de corticóides, vitamina D, analgésicos… além de fisioterapia, acompanhamento de terapia quando necessário, dentre tantas outras possibilidades. Mas SEMPRE com orientação do seu médico!!!

24- QUAL EXPECTATIVA TER DA CIRURGIA? O QUE ESPERAR DO FÍSICO? COMO FICARÁ MEU EMOCIONAL? EM QUANTO TEMPO PERCEBEREI ALGUMA MELHORA?

Bom… essa acho que é a pergunta mais difícil de responder, por isso deixei por último! A expectativa tem que ser real, mas nem sempre é tão simples assim. Por mais que a mulher

queira melhorar seu quadro de saúde e decida tranquilamente pelo explante, pela minha experiência, percebo que no pós-operatório a mulher se sente mutilada! Essa é a palavra que define. Ela está muito fragilizada, a estética muda demais, os sintomas não desaparecem no primeiro dia e há muitas vezes o questionamento se foi a melhor decisão. Isso é normal de acontecer porque tudo gera um processo.

Primeiro assimilar que você tem uma doença, segundo pensar que não tem cura, terceiro lembrar que mesmo fazendo tudo isso você não tem uma garantia de melhora. Então é necessário trabalhar muito todas essas questões e eu converso bastante com minhas pacientes exatamente para tentar minimizar esses efeitos. Esse é um dos grandes motivos de eu não indicar a reconstrução no mesmo tempo cirúrgico, porque acredito que muitas mulheres não estão prontas para isso.

Sobre o tempo de melhora, tenho visto relatos que em uma semana já se percebe muita coisa de melhoria, mas em média após uns 4 meses é que a mulher começa uma recuperação mais completa, pois os sintomas já melhoraram, as questões de pós-operatório já passaram, a mente já se preparou para aceitar aquele novo corpo e aquela nova mulher.

25- COMO VOCÊ DIMENSIONA SUA IMPORTÂNCIA PARA AS MULHERES QUE SOFREM COM ESSE PROBLEMA? PORQUE ALÉM DE CIRURGIÃO PLÁSTICA VOCÊ É MULHER.

As mamas são de importância fundamental para a mulher, pois significam MATURIDADE, MATERNIDADE, SEXUALIDADE, EMPODERAMENTO. É necessário entender que somos mais do que uma parte do corpo. E podemos adaptar e adquirir essas qualidades. A maior questão é a cobrança social, os filtros de redes sociais, a obrigação da mulher ser perfeita dentro de uma sociedade que ainda é machista. E por isso é tão difícil se aceitar.

26- POR QUE HÁ MÉDICOS AINDA RESISTEM NESSE DIAGNÓSTICO E NÃO APOIAM AS PACIENTES?

O diagnóstico da síndrome, assim como de muitas outras doenças em medicina, não é fácil. Os estudos estão em andamento e não foram ainda oficialmente divulgados de maneira ampla, apesar de os grandes órgãos como FDA já conscientizarem sobre isso. E em tudo que é recente, que mexe com estruturas já consolidadas como uso de próteses que é uma rotina para o cirurgião plástico, existe uma resistência natural. Toda inovação e mudança gera uma transformação dos hábitos, gera desafios e esse processo demora um tempo para se estruturar numa sociedade toda.

27- QUAL INFORMAÇÃO É MAIS IMPORTANTE SOBRE ESSA DOENÇA?

O mais importante é aprender de como suspeitar do diagnóstico e saber quem procurar. No momento que uma mulher decide por colocar próteses, não vejo problemas, desde que ela saiba que há esse risco e que seja orientada do que fazer se perceber alterações. Assim como uma pessoa quando vai para quimioterapia e sabe que seu cabelo vai cair, mas ela está escolhendo viver. É o mesmo raciocínio. Tudo na vida tem riscos. Atravessar

a rua tem riscos e isso não significa que não vamos nunca mais atravessar a rua. Mas com certeza faremos todo o possível para minimizar acidentes, olhar para os dois lados etc.

28- AS PRÓTESES SÃO VITALÍCIAS?

Não! Muitos de nós cirurgiões plásticos aprendeu que as próteses durariam para sempre. Com certeza há mulheres que terão próteses por uma vida inteira e não terão problemas. Mas como qualquer produto existe um tempo em que haverá algum grau de degradação. E não sabemos qual é esse tempo. Acreditamos pela experiência clínica que aproximadamente 10 anos seria o tempo ideal para rever a troca, a não ser que antes disso haja a necessidade.

29- QUAIS EXAMES SÃO IMPRESCINDÍVEIS PARA ATESTAR ALTERAÇÕES NA PRÓTESE?

As próteses podem ser acompanhadas clinicamente pelo cirurgião plástico, mastologista e ginecologista. Importante que anualmente seja realizado ultrassom e mamografia, dependendo da idade e história de cada mulher. Mas o padrão ouro é a ressonância magnética.

30- EXAMES CONSEGUEM DIAGNOSTICAR SÍNDROME ASIA E DOENÇA DO SILICONE?

Não existe exame para confirmar a síndrome! Lembrem que repito isso mil vezes: eu não trato exames ou partes do corpo, trato pessoas!!! Exames seriam apenas complementares. O diagnóstico é clínico e direcionado pela história da paciente e exame físico. Mas é uma clínica que simula muitas outras doenças, como fibromialgia por exemplo. Por isso é difícil o diagnóstico.

31- COMO É O EXPLANTE EM BLOCO?

Resumidamente, o explante é uma cirurgia realizada em centro cirúrgico e sob anestesia geral. A incisão é realizada pelo sulco na mama na cicatriz prévia, sendo um pouco maior em extensão. As próteses são retiradas numa peça única, próteses e cápsulas. A reconstrução pode ser feita no mesmo procedimento ou num segundo tempo cirúrgico.

32- SOBRE O DISMORFISMO CORPORAL QUE EXISTE PELA COBRANÇA E BUSCA DE UM CORPO PERFEITO O QUE DIZER?

Autoestima é uma avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma, é a imagem que criamos de nós mesmos, podendo ela ser POSITIVA ou NEGATIVA. ACREDITO QUE CADA UMA DELAS TÊM UM PADRÃO ÚNICO E ESPECIAL. Cada mulher deve investir naquilo que irá ter benefícios para si própria. Se você deseja por exemplo operar as mamas, que o faça porque quer se sentir mais sensual, mais feminina, mais feliz…e não porque as amigas fizeram, ou porque a capa da revista mostra isso.

Aprenda a gostar de quem você é! Olhe para você com mais carinho porque ao se olhar esse é o corpo que você habita e deve fazer dele o melhor.